terça-feira, 22 de maio de 2018

Quem nunca leu ou reparou naqueles desenhos que são publicados nos jornais e revistas e, mais recentemente, disponibilizados em blogs ou enviados para nossas caixas de mensagem mostrando situações do dia a dia da política e da nossa sociedade de modo geral? Quem nunca riu ou ficou pensativo – às vezes até indignado e/ou revoltado – diante de algumas dessas imagens? Certamente você já sabe do que se trata. Sim, estamos falando de charges e cartuns.

quarta-feira, 16 de maio de 2018


 Atire a primeira pedra quem nunca leu uma tira de quadrinhos antes. Ela é tão popular que merece sempre um capítulo próprio na história da história em quadrinhos. Muitos personagens famosos surgiram nelas: Fantasma, Tarzan, Mandrake, Recruta Zero, Snoopy, Garfield, Hagar, Calvin e Haroldo, entre tantos outros que poderiam ser citados. No Brasil, vale registrar, Mônica e Cebolinha também fizeram suas estreias em tiras, lá no comecinho da década de 1960, quando ainda eram publicadas em preto e branco. Por serem tão conhecidas, não é de estranhar que sejam sempre utilizadas em sala de aula e em materiais escolares. Quem já folheou algum livro didático do ensino fundamental, em particular os de português e os de línguas estrangeiras, sabe bem do que estamos falando. Elas são muito comuns nas páginas desses materiais. Um dos motivos dessa predileção pelas tiras no meio escolar pode estar relacionado aos jornais. Foi lá que essas histórias circularam durante décadas, comportamento ainda visto nos dias de hoje. Não é coincidência a presença de muitas dessas sé- ries impressas no ensino. Como muitos dos autores de materiais didáticos não são leitores habituais de revistas em quadrinhos, onde encontrariam, então, produções assim para levarem à sala de aula? Nos periódicos jornalísticos, é claro. E agora também na internet. Afinal, quantas e quantas tiras não são compartilhadas nas redes sociais diariamente? Elas são sempre um convite para se tornarem tema de alguma discussão a ser levada aos alunos em sala de aula. Ainda mais porque esse tema vem carregado de humor, já que a maioria aborda os assuntos com uma boa dose de comicidade. Mas essa é apenas a ponta do iceberg. Há muito mais a ser dito sobre elas. Como tudo na vida, quanto mais se sabe a respeito, mais eficazes são as chances de uma abordagem bem sucedida. Ainda mais se o foco é entender melhor as tiras para poder pensar em formas de como trabalhar melhor com elas no ensino. Vamos, então, aprender um pouco mais sobre o assunto?

domingo, 13 de maio de 2018

Movimento Uniformemente Variado

Também conhecido como movimento acelerado, consiste em um movimento onde há variação de velocidade, ou seja, o móvel sofre aceleração à medida que o tempo passa.
Mas se essa variação de velocidade for sempre igual em intervalos de tempo iguais, então dizemos que este é um Movimento Uniformemente Variado (também chamado de Movimento Uniformemente Acelerado), ou seja, que tem aceleração constante e diferente de zero.
O conceito físico de aceleração, difere um pouco do conceito que se tem no cotidiano. Na física, acelerar significa basicamente mudar de velocidade, tanto tornando-a maior, como também menor. Já no cotidiano, quando pensamos em acelerar algo, estamos nos referindo a um aumento na velocidade.
O conceito formal de aceleração é: a taxa de variação de velocidade numa unidade de tempo, então como unidade teremos:

Aceleração

Assim como para a velocidade, podemos definir uma aceleração média se considerarmos a variação de velocidade em um intervalo de tempo , e esta média será dada pela razão:

Velocidade em função do tempo

No entanto, quando este intervalo de tempo for infinitamente pequeno, ou seja, , tem-se a aceleração instantânea do móvel.
Isolando-se o :
Mas sabemos que:
Então:

Quem aprende a fazer quadrinhos, aprende na realidade, a fazer muitas coisas juntas.



quarta-feira, 9 de maio de 2018

domingo, 6 de maio de 2018

Apesar das muitas possibilidades narrativas que a linguagem das HQs permite, muitos ainda pensam que existe somente um tipo de narrativa nas histórias em quadrinhos. E isso se deve, em parte, por termos como referência os padrões de quadrinhos produzidos pela indústria de entretenimento. Esses padrões são hegemônicos e avessos a experimentações, seguindo a lógica “em time que está ganhando não se mexe.” Nas artes, no entanto, o constante experimentar é fundamental.



os quadrinhos, como ocorreu com outras manifestações artísticas e literárias (romances policiais, fi cção científi ca, literatura fantástica etc.), serem vistos na particularidade de sua estrutura gráfi co-narrativa e analisados sob uma ótica pró- pria, mais positiva. Esse olhar sobre os quadrinhos, é certo, se tornou mais simpático. E, por sua vez, as HQs também evoluíram. Mesmo se considerarmos apenas o produto ou formato que mais dissemina a linguagem dos quadrinhos, ou seja, as revistas periódicas ou gibis, constataremos o avanço gráfi co e temático, apresentando tramas mais bem elaboradas e uma maior exploração dos aspectos artísticos, além de seu refi namento. O próprio desenvolvimento e sofi sticação do meio, bem como sua participação no ambiente de convergência das mídias, exigiu a presença de artistas mais talentosos, capazes de responder à altura das demandas complexas da indústria como das exigências de um consumidor mais integrado às mídias e atualizado sobre as produções, os autores, os personagens e o desenvolvimento temático dos quadrinhos. A percepção daqueles que não tinham familiaridade com as HQs só veio confi rmar aquilo que, para os amantes do meio, fazia parte de sua realidade de leitores e produtores, que enxergavam os produtos da chamada Nona Arte como instrumentos para a transmissão de conhecimento, instrução e preceitos educativos. Revistas em quadrinhos de caráter educacional, como True Comics, Real Life Comics e Real Fact Comics já existiam desde a década de 1940 nos Estados Unidos, trazendo antologias sobre personagens, histórias, fi guras literárias e eventos históricos. Em outros países, essas revistas em quadrinhos também foram comuns, como na Itália (onde a Igreja Católica utilizou a linguagem dos quadrinhos para divulgação da vida de santos), e aqui no Brasil, onde o editor Adolfo Aizen publicava revistas que contavam a história do Brasil e a vida das fi guras históricas brasileiras. A aproximação dos quadrinhos com artes, até então, mais conceituadas, como a literatura, por exemplo, foi feita nas revistas da série Classics Illustrated, hoje considerada cult, dedicada à adaptação de obras literárias importantes para a linguagem quadrinística. A linguagem dos quadrinhos foi também utilizada politicamente, como aconteceu na China de Mao Tsé-Tung, em que campanhas educativas foram desenvolvidas com a linguagem gráfi ca sequencial, visando reproduzir a ideologia dominante, e, no México, onde agências governamentais a utilizaram em campanhas de educação popular. Além disso, a linguagem dos quadrinhos serviu e continua a ser utilizada para apoio técnico no treinamento ou instrução de pessoal em funções especializadas, como soldados ou operários fabris. Em nível mais avançado, as últimas décadas evidenciaram a adequação dos quadrinhos para a transmissão de mensagens que enfocavam áreas como a fi losofi a, a psicologia e a economia. Com tudo isso, não admira que as histórias em quadrinhos também passassem a ser utilizadas em livros didáticos. No Brasil, isso ocorreu a partir da década de 1960, quando algumas editoras desse tipo de obras contrataram autores para desenvolver, em quadrinhos, parte do conteúdo de seus livros. Daí, para os quadrinhos invadirem as provas de vestibular e serem considerados pelas autoridades governamentais como benéfi cos instrumentos para a transmissão de conhecimenao processo de ensino, foi apenas um passo.